// híbrida
4 min readOct 26, 2020

PÂNICO NA TORRE — COLORS INVADING

Se você nunca teve medo de ousar e sempre gostou de peças coloridas, estampas, acessórios diferenciados e destaque, admiro sua coragem e te incentivo a continuar o que tem feito. Mas se você, assim como eu, apesar de gostar de moda, sempre optou por peças mais usuais e uma paleta de cores mais sóbrias, pastéis, quentes, pouca estampa e muita descrição, tá na hora de botar a cara no sol.

@bomedian0

Eu sempre achei lindo quem SABE O QUE QUER, e não tem medo de estar desagradável aos olhos de quem o vê com peças que se destacam na multidão. No entanto, morria de medo de tentar sequer uma jaqueta colorida. Numa viagem que fiz ao Egito me encantei com as “Alladin Pants” vendidas em feirinhas comerciais em Dahab e decidi comprar não uma, mas DUAS, uma delas sendo AMARELA. E por ninguém me conhecer naquele lugar eu tive a coragem de pela primeira vez colocar algo que fugisse da minha zona de conforto. E eu AMEI. Quando mostrei a peça para amigos e familiares fui indagado com: você vai usar isso aqui?… E eu decidi que SIM, porque quem tem que gostar do que eu estou vestindo sou eu…. e todas as vezes que uso é incrível porque sempre me param para comentar a respeito da calça.

@iam_carolina

Faz um tempo que tenho descoberto contas ICÔNICAS no Instagram com muitas cores, misturas, acessórios, bom humor e irreverência e tenho me apaixonado cada vez mais por essa estética e sentido vontade de ousar um pouco mais.

@lulunovis
@thaidemelobufrem

@miliandolla @thaidemelobufrem @lulunovis @iam_carolina e @o_incerto têm enchido meus olhos e me dado inspiração em tudo que colocam em suas vitrines virtuais, seja o monocromático amarelo de Luciana, cabos lightening e rodas nas estampas de Carolina, a fauna e flora de João, ou as listras carnavalescas de Thai.

@o_incerto

Temos bananas, lagostas, bolinhas com xadrez, folhas, onças, aviões, e brincos de remédio. A regra é não ter regra.

Tenho uma amiga querida e talentosa formada em moda que já trabalha na área desde antes da internet chamar internet, quando os trends de gossip girl dominavam a adolescência daquelas que sonhavam em poder entrar numa lojinha da fictícia e icônica Eleanor Waldorf (google it) em Manhattan e usar tiaras Prada para ir a escola durante a semana. Um pouco longe de Manhattan e do universo da série de 2007, numa cidade do interior do Mato Grosso do Sul, com calor de 40 graus, Bita Conci fazia o que dava na telha e saía na rua de bota, chapéu e luva, como se estivesse em Londres num dia cinza, atraindo muitos olhares desse povo interiorano. Algum tempo depois, Bita Conci sempre ousada decidiu criar uma tag/projeto no seu Instagram (@bitaconci) chamado #criesuaocasião.

@bitaconci

O projeto incentiva exatamente sua coragem de ousar com peças que você não costuma usar com frequência, ou se acostumou com uma única combinação que achou dar certo. O crie sua ocasião é para que você não espere ir à Londres num dia nublado para usar o seu chapéu com luvas e botas, é pra você fazer isso quando der na telha. É abrir possibilidades, pensar fora da caixa, e tirar o seu lenço xadrez da gaveta.

O vestir é mais do que o ato de cobrir o corpo pela construção social do atentado ao pudor. O vestir é comunicar, resistir e expressar. É música, poesia, arte para vestir, viver, cuidar e sentir. E é exatamente por tudo que é além do tecido que te veste que precisamos começar a usar nossas roupas com outros olhos. Não importa se sua ocasião é um terno colorido na call pro trabalho ou uma máscara neon pra ir ao mercado… Como diz @milliandolla: quem não gostou, é porque não entendeu o conceito. Se joga!