Kenzo Takada e seu legado para a diversidade na moda

// híbrida
3 min readNov 4, 2020

--

O ano é 2020, mas essa temática é mais antiga. A discussão sobre diversidade abrange todos os campos da sociedade desde muito tempo, principalmente a partir do momento que o mundo começou a se conectar através de interesses econômicos e políticos, passando por novas trocas também culturais. Paris pode ter sido o berço da Moda no século XVII, mas a capital francesa não poderia parar e nada melhor do que um excêntrico designer japonês, trazendo um novo entendimento para a arte e indumentária, para refrescar os conceitos e trazer mais do que roupas extravagantes para a pauta.

O Japão de hoje é fruto de uma longa evolução histórica — o chamado Milagre Japonês, resultante do surpreendente boom econômico do pós-guerra e impulsionado pela ajuda dos Estados Unidos na reconstrução do país. Esse progresso contribuiu para uma ocidentalização da cultura até então muito tradicional e permitiu que os japoneses pudessem cada vez mais adentrar o Ocidente nos campos das artes, design, arquitetura e moda.

Kenzo Takada nasceu em 27 de Fevereiro de 1939 e se formou na Bunka College of Fashion, escola de moda mais famosa do Japão. Aos 26 anos viajou para a França e desde então se estabeleceu na capital para se dedicar totalmente à sua profissão, primeiro como freelancer.

@kenzo

Estimulado por ex-colegas da escola Bunka que já estavam inseridos no mercado, o designer abriu sua boutique Jungle Jap em 1970 e foi o primeiro estilista japonês a apresentar uma coleção em Paris, no mesmo ano. Após isso, lançou uma linha masculina em 1983 e, cinco anos depois, o perfume Kenzo Kenzo, posicionado entre os mais vendidos do mundo.

“O desconhecido. O diferente. Torna bonito o impossível.” Takada Kenzo

A diversidade trazida por Kenzo é um assunto que permeia nossos tempos, ainda de forma tortuosa, pra tentar entender que cada cultura tem a sua forma de ser. E que existem diferentes maneiras de ser feliz.

Kenzo exala felicidade em suas produções.

Na passarela, o estilista trouxe descontração, músicas animadas e modelos saltitantes em suas roupas não convencionais que misturavam estampas e padrões. Seu estilo exuberante trouxe um alegre sentido de diversão para a alta moda parisiense. Ele entendeu, antes de qualquer designer, a importância de um trabalho que viria a se fundir em uma globalização, onde o respeito e entendimento de diversidade se faria não só necessário, mas seria uma explosão de sensações e experiências. Trabalhou a intersecção de elementos étnicos deixando de lado a ideia pejorativa de etnia da época, destacando a ideia positiva de identidade.

“Quando ninguém acreditou, eu observei o mundo de uma maneira positiva.” Takada Kenzo

O designer se aposentou em 1999 e em 4 de Outubro de 2020, o Japão e o mundo lamentaram a morte de uma alma tão espirituosa como Kenzo Takada, que abriu portas para um mundo mais étnico e diverso.

--

--